Projetos Especiais

Introdução

A inabilidade em compreender o funcionamento básico da economia e dos instrumentos financeiros leva as pessoas a tomarem decisões que, com frequência, comprometem negativamente sua qualidade de vida e de sua família. No entanto isso não se restringe apenas aos extratos sócios econômicos mais baixos e quanto maior a renda e a falta de planejamento, mais graves tornam-se os problemas.


Porque se importar com isso

Houve uma época no Brasil, há não muito tempo, em que investir dinheiro era sinônimo de caderneta de poupança ou imóveis, e a aposentadoria era obrigação do governo – ponto final.

Porem esta realidade mudou, os investimentos passaram a ser mais complexos, obter lucros acima da inflação ficou mais difícil e novos conceitos financeiros foram surgindo, tornando a tarefa de investir e gerir suas finanças algo cada vez mais complexo.

A ligação entre problemas financeiros e stress é largamente documentada. A Associação Americana de Psicólogos (American Psychological Association) realiza desde 2007, a pesquisa Anual Stress in America, que procura mapear as fontes de stress e seus efeitos entre os cidadãos americanos.

Em sua primeira edição, em 2007, a pesquisa indicou que o dinheiro era a segunda fonte de stress dos americanos (a primeira era o trabalho em si). A partir de 2008, em todas as edições, o tópico “dinheiro” ocupou a primeira colocação, sendo em 2012 com 69% dos entrevistados.

A educação financeira da às pessoas o poder de gerenciar seus recursos de forma mais eficiente e tomar melhores decisões. Investir em educação financeira no ambiente de trabalho é atacar diretamente a maior fonte de stress dos trabalhadores com a agenda de deixá-los melhor preparados para focar e produzir um trabalho de maior qualidade para o maior número de pessoas.


Falta de Planejamento Financeiro e o impacto negativo nas organizações

No inicio de 2012, foi divulgada peça SHRM (Society for Human Resource Management), uma pesquisa chamada “Financial Education Initiatives in the Workplace”, indicando que 83% dos profissionais de RH acreditam que os desafios financeiros dos empregados têm impacto na performance da empresa. Eis os principais pontos:

  • Queda da produtividade: Funcionários que enfrentam desafios financeiros utilizam tempo de trabalho para cuidar das questões financeiras pessoais. Segundo pesquisa feita nos EUA pela PricewaterhouseCoopers em 2012, 97% dos funcionários utilizam horas de trabalho para cuidar de suas finanças pessoais.
  • Turnover elevado: Tem se tornado comum, em empresas brasileiras, funcionários pedirem demissão para levantar verbas rescisórias para pagar dívidas. Com a percepção de maior facilidade em recolocação no mercado de trabalho, está prática está se tornando cada vez mais comum.
  • Problemas relacionados ao stress: O stress leva a doenças, o que aumenta os custos da empresa com benefícios de saúde e capacidade de trabalho.
  • Perda de eficácia de benefícios: Muitos funcionários não entendem as reais vantagens de determinados benefícios financeiros promovidos pela empresa por falta de conhecimento financeiro, tais como previdência complementar, participação em lucros, entre outros.
  • Pressões financeiras sobre a área de Recursos Humanos: Alguns funcionários precisam constantemente de socorro financeiro, por parte do empregador sob a forma de adiantamentos ou através de empréstimos consignados, trazendo ao RH uma função de banco.
  • Risco de fraudes internas: Em casos extremos, funcionários altamente endividados e desesperados acabam propensos a cometer atos fraudulentos para solucionar problemas pessoais.

Educação Financeira

Uma coisa notável sobre finanças pessoais é que a grande maioria dos problemas nessa área não é composta de problemas propriamente “financeiros”. São problemas de comportamento, de crenças, de distorções lógicas e cognitivas, de valores pessoais e até um problema de natureza moral. Uma boa gestão financeira pessoal está associada a disciplina e à consistência. Para que a pessoa tenha uma vida financeira saudável, é importante antes de qualquer coisa, que ela desenvolva bons hábitos financeiros.

Um erro comum é confundir educação financeira com informação financeira. Distribuir aos funcionários uma cartilha ou uma única palestra, não é a mesma coisa que oferecer educação financeira. Informação é algo que se esquece, enquanto uma boa educação forma hábitos que perduram.

Ao contrario do que parece acontecer, o mundo hoje possui um excesso de informação financeira, com cada vez mais livros, artigos, produtos, bancos, corretoras, negócios, etc, o que causa mais confusão do que esclarecimento, resultando em maior ruído e a falsa sensação de se estar fazendo algo. Na verdade o que falta é educação financeira e a capacidade de entender o que são os recursos financeiros e de tomar decisões que envolvam o uso destes recursos de forma racional, eficiente e sustentável e sempre alinhados ao propósito de vida.

De maneira prática a educação financeira tem diversos objetivos, dentre os quais destacamos:

  • Transformar consumo por impulso e mal controlado em consumo inteligente e planejado;
  • Transformar dívidas excessivas e mal calculadas em poupança positiva e planejada;
  • Transformar aplicações esporádicas e convencionais em investimentos frequentes e dinâmicos;
  • Viver uma boa vida e viabilizar a realização de todos os seus sonhos mais importantes.

Ao investir em educação financeira, as empresas não apenas atacam os efeitos danosos à sua produtividade, mas cumprem um importante papel social, capacitando as pessoas a tomar melhores decisões tendo um impacto positivo em toda a vida, inclusive no exercício da atividade profissional.


Sobre o retorno sobre o Investimento (ROI)

A mensuração do retorno sobre o investimento (ROI) de iniciativas de treinamento e capacitação é muito difícil de mensurar. No entanto a partir da década de 90 a National Institute for Personal Finance Employee Education (da Virginia Tech) desenvolveu um modelo de ROI que considera 5 variáveis: os resultados de uma avaliação proprietária feita com os funcionários, o número de funcionários, o salário médio, os custos com turnover e os gastos com saúde e seguro médico. Segundo este estudo, o ROI de um programa de educação financeira no ambiente de trabalho pode chegar a três dólares para cada dólar investido.


Quem Somos

Uma escola independente

Somos uma escola para as pessoas que desejam construir um relacionamento saudável e maduro com as finanças pessoais. Nosso objetivo é ajudar nossos alunos a responder a seguinte pergunta:

Em seu relacionamento com o dinheiro, quem é que manda em quem?

Escola 100% orientada ao ensino das finanças pessoais para a realidade da família brasileira. Acreditamos no ensino construído junto com o treinamento e a partir de seu contexto de vida. Aulas interativas repleta de conhecimento útil e dicas práticas. Ensinamos além das Finanças Pessoais. Convidamos para uma profunda e abrangente reflexão acerca do Plano de Vida.

Nossos 3 pilares estratégicos

  • Planejador LifeFP™: Profissionais certificados pela LifeFP™ habilitados para a entrega do verdadeiro Planejamento Financeiro Pessoal
  • Metodologia LifeETAPAS™: Pioneira metodologia de Planejamento Financeiro Pessoal desenvolvida pela LifeFP™ em parceria com a UNICAMP.
  • Tecnologia LifeCASH™: Plataforma web (e app mobile) de Planejamento de Vida alicerçado pelo Planejamento Financeiro Pessoal.

Resumo Institucional

  • Equipe formada por CFP® - Certified Financial Planner. Alguns são docentes de cursos de preparação para a certificação CFP®
  • Atendemos mais de 2.600 famílias no modelo 1-1
  • Já treinamos mais de 2.500 pessoas em atendimento coletivo e criação de multiplicadores
  • Não vendemos produtos. 100% de nossa receita é através do serviço consultivo e educativo que prestamos
  • Somos membros da FPA - Financial Planning Association - desde 2008
  • Palestrante na FPA desde 2009
  • Palestrante na Global Conference of Life Planning em Londres em 2011 e 2012
  • A Life foi eleita uma das “voices of the future” na Global Conference of Life Planning em 2011 e 2012
  • Plantamos a árvore da Prosperidade, a LifeProsperitree™

O que podemos fazer pela sua organização?

Programas Ad Hoc

Estamos aptos para te ajudar em qualquer finalidade que preciso dentro do grande universo da Educação Financeira Pessoal. Te ajudaremos a desenvolver um programa customizado que pode contemplar desde palestras até o desenvolvimento de conteúdo específico para sua realidade e contexto.

Podemos desenvolver:

  • Palestras
  • Seminário de 4 horas
  • Seminários de 1 dia ( 8 horas )
  • Ciclo Básico LifeEF™ customizado para o público de sua organização
  • Material Didático Educativo Exclusivo
  • Boletins e materiais diversos para a sua intranet / extranet
  • Central de Atendimento de Dúvidas para seus colaboradores (0800)
  • (0800) Mediação de grupos de discussão em Finanças Pessoais
  • Planejador LifeFP™ para os líderes de sua organização

Mas o primeiro passo é nos conhecermos. Caso você deseje uma reunião ou uma call para iniciarmos as conversas, por favor entre em contato através do email adhoc@lifeef.com.br

Será uma honra lhe conhecer!